Onefootball
Vitor Geron

Seleção Olímpica de 2000 tem jogador em ação, comentaristas e preso


Nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, o Brasil ainda buscava o ouro inédito no futebol masculino (que só viria em 2016). Mas a campanha na Austrália terminou com uma precoce eliminação para Camarões de Samuel Eto’o nas quartas de final.

O Onefootball foi atrás dos destinos dos já quarentões membros do elenco que foi comandado por Vanderlei Luxemburgo no torneio olímpico de 2000. Tem gente que ainda está jogando, mas há também comentaristas, técnicos e até um preso.

Ronaldinho Gaúcho: preso

FBL-PARAGUAY-BRAZIL-JUSTICE-RONALDINHO-1585157731.jpg

Foto:  NORBERTO DUARTE/AFP via Getty Images

Maior nome daquela geração, Ronaldinho Gaúcho foi o camisa 7 do Brasil na campanha em Sydney. Depois dos Jogos Olímpicos, foi campeão Mundial em 2002, brilhou nos gramados europeus e foi eleito o melhor do mundo. Aposentado, recentemente foi preso no Paraguai com documentos que seriam falsos e está sendo investigado no país vizinho.

Fábio Bilica: em atividade

O zagueiro Fábio Bilica é o único que atuou profissionalmente em 2020, aos 41 anos. O defensor, que passou por diversos clubes italianos, Fenerbahçe, além de Grêmio, Goiás e Vitória, defendeu o América de Pedrinhas, rebaixado no Campeonato Sergipano de 2020.

Lúcio e André Luís: recém-aposentados

O zagueiro Lúcio, outro pentacampeão em 2002, anunciou a aposentadoria em 2020, após duas temporadas no Brasiliense. Outro que estava em atividade até o ano passado é o zagueiro André Luís, ex-Flu, Bota, Santos, que em 2019 defendeu o Concórdia, de Santa Catarina. Ele ficou famoso por ter dado um cartão amarelo a um árbitro, quando defendia o Botafogo.

Alex e Roger: comentaristas

Dois meias de criação daquela equipe foram dar palpites como comentaristas após o fim da carreira. Roger Flores integra o grupo Globo, e Alex participa de debates na Espn.

Outros jogadores

Entre o restante do grupo, muitos seguiram a carreira de treinador, ainda no início, ocupando cargos de auxiliar (caso de Mozart, no Coritiba) ou em equipes de base. Outros viraram empresários. E há ainda jogadores que trabalham em outras áreas.

Os demais jogadores que integravam aquele grupo eram: Helton (goleiro), Álvaro (zagueiro), Baiano (lateral), Fábio Aurélio (lateral), Fabiano (meia), Mozart (meia), Fábio Costa (goleiro), Marcos Paulo (meia), Geovanni (meia), Athirson (lateral), Edu (atacante) e Lucas (atacante).


Foto destaque: ANTONIO SCORZA/AFP via Getty Images