Ricardo Rocha revela que aconselhou Rodrigo Caio a sair do São Paulo

Onefootball alexandrefernandes

Ex-coordenador de futebol do Tricolor Paulista analisa queda de rendimento, afirma que Nenê é "mimado" e diz que foi contra a demissão de Aguirre


Ainda que a saída de Ricardo Rocha não tenha sido conturbada, o anúncio no Criciúma no dia seguinte do adeus ao Tricolor Paulista deixou margem para questionamentos sobre o ambiente no CT da Barra Funda. Nesta quinta-feira (06), o ex-coordenador de futebol falou sobre alguns pontos sensíveis na temporada do time do Morumbi.

Sobre Nenê, Ricardo Rocha afirmou no programa “Seleção SporTV” que o camisa 10 foi mimado: “Foi, foi sim. Houve algumas insatisfações. Vimos uma. Nenê”.

Sobre as recentes declarações de Rodrigo Caio, que criticou Diego Aguirre: “É uma opinião do Rodrigo, você tem que respeitar tudo. É jogador importante para o São Paulo, mas naquele momento o Aguirre achava que era o quarto zagueiro. Rodrigo ficou muito tempo parado. É ótimo jogador. E digo mais: por essa declaração dele, é bom ele sair. Ele tem que sair, ou emprestado ou vendido, porque tem muita bola. Voltar à seleção brasileira. Falei para ele. Ele precisa mudar a cabeça dele. É a pressão que é muito grande. Tudo que dá errado é culpa do Rodrigo. E não é assim. Tudo não pode ser ele”.

Sobre a demissão de Diego Aguirre: “Faltavam cinco rodadas, e eu falei isso para o Raí e algumas pessoas. Se eu estivesse na reunião, eu tentaria que não derrubassem o Aguirre. Em momento algum, nós falamos sobre queda de treinador. Raí estava muito triste, eu também, o time estava jogando muito mal. Mas o Aguirre foi importante para a gente. Não quer dizer que eu não queria o Jardine. Acho que capacidade ele tem, poderia assumir depois. Se eu estivesse nessa reunião, deixaria os cinco jogos”.

Por fim, Ricardo Rocha analisou a queda de rendimento do São Paulo no segundo turno do Brasileirão e falou na dificuldade em competir com Flamengo e Palmeiras.

“Calma, falta muita coisa’. Aí começam os problemas, o Everton se machuca, um jogador importantíssimo. Nosso elenco não teve encaixe, começou uma queda de produção de jogadores. Não tivemos substitutos à altura dos jogadores que se machucaram. Por que não tivemos um elenco mais forte? Porque não tinha como competir com Flamengo e Palmeiras, a verdade é essa”.