Onefootball
Onefootball

Crônica: Portugal fica com o terceiro lugar após vencer o México de virada na prorrogação


Goleiros fazem grande exibição, Ochoa pega pênalti no primeiro tempo, mas não consegue evitar a derrota do México na prorrogação

Portugal conquistou o terceiro lugar da Copa das Confederações e, como de costume nos últimos jogos da equipe de Fernando Santos, de maneira emocionante. No duelo realizado na manhã deste domingo, Portugal saiu atrás, mas venceu o México de virada, por 2 a 1, na prorrogação.

Após começar atrás no placar com gol contra, a seleção lusa, comandada por Fernando Santos empatou a partida nos acréscimos do segundo tempo com Pepe e garantiu a vitória na prorrogação, em uma penalidade convertida por Adrien Silva.

O jogo

No duelo realizado na Otkrytive Arena o grande destaque foram os goleiros. Aos 15 minutos do primeiro tempo, quando Portugal era melhor na partida e pressionava o México, o árbitro marcou uma penalidade de Rafa Márquez em cima de André Silva, mas Ochoa defendeu a cobrança do camisa 9 de Portugal. Do outro lado, Rui Patrício salvou a equipe portuguesa com uma linda defesa após um canudo de Chicharito.

No segundo tempo, logo aos oito minutos, o zagueiro Luís Neto acabou mandando contra o seu próprio gol, após cruzamento de Chicharito, colocando o México na frente do placar. Sete minutos depois, Ochoa voltou a brilhar defendendo uma cabeceada de Gelson Martins. No entanto, aos 46 minutos, Quaresma encontrou Pepe na área e o zagueiro deixou tudo igual, levando a partida para a prorrogação.

Com o empate, o jogo voltou a ficar aberto. Aos três minutos, Rui Patrício fez grande defesa após escanteio cobrando na área lusa e o desvio feito por Lozano. Aos 12, o árbitro marcou mão de Layun na área e deu mais um pênalti para Portugal que com Adrien Silva desta vez não perdoou: Portugal 2 x 1 México.

No segundo tempo da prorrogação, Semedo e Jiménez foram expulsos de campo por levantarem demais o pé, deixando ambos os times com 10 em campo. Com o México pressionando, Rui Patrício apareceu mais uma vez para salvar, fazendo grande defesa aos 12 minutos na finalização de Herrera, decretando a vitória portuguesa.