Onefootball
Marcos Monteiro

Copa América: os momentos inesquecíveis do torneio


A cinco dias do ponta-pé inicial para a Copa América 2019, o Onefootball relembra os momentos marcantes das edições passadas. Do histórico voleio de Bebeto em 89, ao inesquecível gol de Adriano em 2004, o torneio continental te marcou mais do que você imagina.

Golaço de Bebeto no Maracanã

Na primeira fase da Copa América de 1989, mais de 100 mil pessoas estiveram presentes no duelo entre o Brasil de Romário e Bebeto e a Argentina de Maradona, campeã do mundo à época. O 2 x 0 no placar ficou de lado: Bebeto acertou um lindo voleio e roubou o brilho da partida.


“Vocês vão ter que me engolir”

A frase que virou marca registrada de Mario Jorge Lobo Zagallo nasceu na Copa América de 1997. Após uma difícil vitória sobre a Bolívia, em La Paz, o Brasil sagrou-se campeão continental. O então técnico da Seleção virou-se para os jornalistas e mandou o que se tornou um conhecido jargão.

Anos mais tarde, Zagallo explicou que a frase fora dita aos jornalistas Juca Kfouri e Juarez Soares que, na opinião do ex-treinador, faziam campanha para que Luxemburgo assumisse a Seleção.


Os pênaltis de Palermo

Martín Palermo fez história com a camisa do Boca Juniors e também da seleção argentina. Foi na partida contra a Colômbia, pela Copa América de 1999, que o centroavante teve uma de suas atuações mais inesquecíveis. Não por um bom motivo.

Durante os 90 minutos de jogo, Martín Palermo perdeu nada menos do que três penalidades. Os gols fizeram falta: a Argentina perdeu por 3 x 0.


“Olha o que ele fez, olha o que ele fez!”

No mesmo ano em que Palermo perdeu seus três pênaltis no mesmo jogo, Ronaldinho Gaúcho fez seu jogo de estreia pela Seleção principal. Ainda com a camisa 21, Ronaldinho saiu do banco durante a partida contra a Venezuela para chapelar o zagueiro e marcar um belo gol. A narração de Galvão Bueno eternizou o momento.


A virada de Adriano

A final da Copa América de 2004 já teria tudo para ser histórica com um belo clássico entre Brasil e Argentina. Mas foi ainda mais do que isso. Até os 48 minutos do segundo tempo, o time de Marcelo Bielsa vencia por 2 x 1 e garantia o caneco. Porém, um gol de Adriano, no último segundo de jogo, levou a disputa para os pênaltis.

D’Alessandro e Heinze perderam as cobranças e os comandados de Parreira ficaram com o título.