Onefootball
Vitor Geron

Como seria o futebol se a Alemanha ainda estivesse dividida?


Neste dia 3 de outubro é comemorado o dia da Unidade Alemã. O feriado em terras germânicas marca a data da reunificação das Alemanhas Oriental e Ocidental, ocorrida nesta data há 29 anos, em 1990.

Mas, e se o país ainda estivesse dividido? O Onefootball aproveita a data histórica para apontar o que seria diferente se o país ainda estivesse dividido.

Dois times não estariam na Bundesliga

O longo período dividido fez o lado oriental enfraquecer no futebol. Isso ainda fica evidente quase 30 anos após a reunificação. Das 18 equipes que disputam atualmente a Bundesliga, apenas duas pertencem ao que era a antiga Alemanha Oriental: RB Leipzig e o recém-promovido Union Berlin.

Consequentemente, isso reflete no domínio das equipes do lado ocidental entre os seis primeiros nas últimas temporadas da Bundesliga. Do lado oriental, apenas o Leipzig, conseguiu entrar no top-6 nos últimos três campeonatos.

O abismo continua se olharmos para a segunda divisão. Entre as 18 equipes atualmente no segundo escalão do Campeonato Alemão, também há apenas duas que pertenciam ao lado oriental: Dynamo Dresden e Erzgebirge Aue.


Toni Kroos estaria “do outro lado”

A grande maioria dos principais nomes atuais do futebol alemão nasceram no território da antiga Alemanha Ocidental. O principal nome oriundo do lado oriental é o meia Toni Kroos, jogador do Real Madrid e um dos pilares da seleção campeã mundial em 2014.

Sevilla-FC-v-Real-Madrid-CF-La-Liga-1570032209.jpg

Foto: Aitor Alcalde/Getty Images

Kroos nasceu em janeiro de 1990 na cidade de Greifswald, na parte oriental ao norte da Alemanha. Quando nasceu, o Muro de Berlim já havia sido derrubado, mas a reunificação só ocorreu em outubro daquele ano. Portanto, Kroos nasceu no que ficou conhecida como Alemanha Oriental.


Mas e o Hertha?

Berlim estava dentro do território da Alemanha Oriental, mas a cidade tinha a administração dividida e por isso o muro foi construído para separar a área sob controle soviético da região dominada por americanos, ingleses e franceses. No lado ocidental de Berlim sempre esteve o Hertha, que sofreu muito com o isolamento durante o período em que o país esteve dividido.

Apesar de pertencer à Alemanha Ocidental, o Hertha tinha dificuldades financeiras e até físicas, uma vez que parte da torcida ficou do outro lado do muro. A parte ocidental de Berlim foi durante muitos anos uma ilha dentro da Alemanha Oriental e, claro, isso impactou no desenvolvimento do clube.


Foto destaque: GERARD MALIE/AFP/Getty Images