Onefootball
Ian Chicharo Gastim

👎 As piores contratações da história do Corinthians


Quando o seu clube abre o cofre para contratar um jogador, a expectativa é que ele dê retorno em campo. Para tanto, o departamento de futebol investe em analistas de desempenho e scouts, além de ter dirigentes experientes para não errar nas escolhas.

Toda essa estrutura, no entanto, nem sempre dá certo. O Corinthians, por exemplo, tem em sua história casos de jogadores que foram contratados com muita esperança, mas acabaram não deixando saudade nenhuma.

Nós no Onefootball, separamos algumas delas para você relembrar e dar graças a deus que o jogador não está mais no Parque São Jorge.


FBL-LIBERTADORES-CORINTHIANS-MILLONARIOS-1585240668.jpg

Foto: NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images

Alexandre Pato

Após o título do Mundial de Clubes, o Corinthians decidiu abrir os cofres para reforçar o seu elenco campeão. No começo de 2013, o clube gastou mais de R$ 40 milhões para contratar Pato, então badalado atacante do Milan.

A aposta era alta, ainda mais pelo fato de que o valor correspondia a apenas 60% dos direitos econômicos do jogador. Cercada de muita expectativa, a contratação, no entanto, foi um fracasso.

Com a camisa corinthiana, Pato disputou 62 jogos e marcou  apenas 17 gols, recebendo um dos maiores salários do elenco – cerca de R$ 800 mil por mês.

A gota d’água da passagem do jogador no Timão foi quando perdeu um pênalti, de cavadinha, em uma partida decisiva contra o Grêmio pela Copa do Brasil. Defendida por Dida, a cobrança decretou a eliminação do Corinthians e a desgraça do atacante com a torcida do clube.


Fluminense-v-Corinthians-Brasileirao-Series-A-2018-1585241264.jpg

Foto: Alexandre Loureiro/Getty Images

A gente poderia passar algumas horas aqui falando sobre jogadores duvidosos que o Corinthians trouxe do Fluminense nos últimos anos. Sornoza, Everaldo, Yoni González, nenhum deles deixou saudade no torcida tricolor que, inclusive, agradeceu pela compra.

Mas se fosse para eleger um nome, certamente seria Richard. Contratado em 2019 por cerca de R$ 8 milhões – em uma época que não sobra dinheiro no Parque São Jorge -, o volante não emplacou e no meio da temporada já havia sido emprestado ao Vasco, com parte do salário sendo pago pelo clube paulista.

Definitivamente, não deixou saudade nenhuma na torcida Corinthiana, talvez deixou até um certo alívio pela saída.


Foto: Reprodução/Twitter

Zelão

Contratado junto ao Bragantino, quando o time de Bragança não estava com a Red Bull investindo dinheiro, o zagueiro Zelão é mais um jogador que não deixou nenhuma saudade no torcedor corintiano.

A diretoria, inclusive, deve se arrepender de não ter negociado o jogador na época quando recebeu uma oferta de € 2 milhões do Panathinaikos, da Grécia. No final das contas, ele acabou participando do rebaixamento de 2007 do clube paulista.


Osasunas-Moroccan-Mohammed-El-Yaagoubi-1585242139.jpg

Foto: A. ARRIZURIETA/AFP via Getty Images

Bóvio

Emprestado pelo Catania, da Itália, Bóvio chegou ao Corinthians em 2008 para disputar a Série B. O clube italiano topou liberar o atleta porque estava com estrangeiros demais no elenco e não iria utilizá-lo.

A passagem do volante pelo Timão, porém, foi um fiasco, com apenas 14 jogos antes de rescindir o contrato e rumar para o Al Shabab, da Arábia Saudita.


Foto: Marcelo Machado de Melo/Fotoarena/Via Imago

Ibson

Outra contratação a não deixar saudades no Corinthians, Ibson chegou ao Timão no meio de 2013 com a expectativa de repetir os tempos de Flamengo, quando era destaque no meio-campo.

O jogador, no entanto, não repetiu as boas atuações e deixou o clube no início de 2014. Nesse período, o atleta disputou 26 jogos, não marcou nenhum gol e ainda foi alvo de muitas críticas da torcida.


Argentinas-footballer-midfielder-Matias-1585243305.jpg

Foto: MAURICIO LIMA/AFP via Getty Images

Apresentado no dia 31 de agosto de 2009 como o “novo Messi”, Matías Defederico vestiu a camisa 10 do Corinthians para jogar em uma equipe que contava com nada mais nada menos que Ronaldo Fenômeno.

O meia argentino, no entanto, não conseguiu se firmar. Foram 36 jogos e três gols marcados durante os anos de 2009 e 2010, sem nunca conseguir fazer valer o apelido de “novo Messi”, algo que ele, por sinal, nunca gostou de ter recebido.

O principal saldo da passagem do argentino acabou sendo o saldo negativo nos cofres corintianos, já que o meia custou na época R$ 7,5 milhões.


Foto de destaque: NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images